Por Geovanna Domingos

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Minhas próprias escolhas.

Odeio administração, acho uma coisa muito, muito chata, não me vejo atrás de uma mesa fazendo planilha, com a cara enfiada no computador e administrar as coisas, isso não é para mim, e todo mundo consegue ver isso, todo mundo, menos minha mãe é claro.
O que eu quero mesmo? Fazer escola de Artes, aquele é o meu lugar, cantar, dançar e interpretar todos os dias, me apresentar, ouvir os aplausos, receber aqueles tapinhas nas costas e aqueles "muito bem", fazer as pessoas, rirem, chorarem e se emocionarem, mostrar meu talento e divertir as pessoas, é isso que quero fazer, me sinto feliz assim. Não quero passar minha vida atrás de uma mesa, quero passa-la em cima de um palco, quero viajar, conhecer lugares pessoas, quero cantar, quero escrever um livro, quero viver. Não quero ser uma garota normal, porque eu sei que não sou. Preciso de apenas uma chance para mostrar do que sou capaz. "Ok, mas você acha que é fácil desse jeito?". Não, lógico que não! Meu pai está na carreira de rapper a mais de 10 anos, e ainda não deu certo. Mas eu não vou desistir, quero fazer música, quero me envolver com a música, quero ter um relacionamento sério com a arte. Minha família, por parte de pai, respira música, meu avô tocando violão, meu pai tocando bateria, meu tio na guitarra, poxa cara meu pai tinha uma banda de rock, porque eu não posso ter também? Meus pais erraram nessa vida, porque eu não posso errar também?
Cantar me faz feliz, me diverte, me faz bem, faz bem para a minha alma, a música me ajuda mais do que um psicólogo ajudaria, quero fazer o que eu amo, quero ir para a escola de artes. Sou apenas uma lagarta na árvore imaginando quem vou ser, não se pode ir longe, mas sempre se pode sonhar (alô tio Billy), estou com medo, não vou negar isso, nunca fui de negar o que eu sinto, mas esse medo está me motivando, estou pronta, pronta para os desafios que vão vir pela frente, estou pronta para fazer minhas próprias escolhas.

Postar um comentário

As palavras que eu te dei

Eu me joguei no sofá. O silêncio veio me receber. Suas coisas já não estavam mais no meu apartamento. A gente cansou de brincar de se gost...