Por Geovanna Domingos

sábado, 27 de dezembro de 2014

Ano Novo = Fase Nova

Pois é 2014 foi um ano.... diferente. Com altos e baixos (mais baixos que altos), mas estou viva. Nossa aconteceu tanta coisa, minha opinião sobre algumas coisas (e pessoas) mudou bastante, eu cresci por fora e por dentro. Com novas teorias sobre a vida, com novas histórias para contar. Uma lição que eu tirei desse ano? Sou mais forte do que pensava, posso superar tudo.
Não conseguimos tudo na vida isso é fato, mas se nos esforçamos e acreditarmos em nós mesmos podemos realizar coisas incríveis. Fico feliz com o blog também! Se não fosse vocês acompanhando, visualizando, e mandando mensagens para mim, eu nem sei o que seria de mim! Valeu mesmo galera!
Este ano realizei dois sonhos :
1° Ir no show da Miley.
2° Cantar para um platéia.
Mesmo sendo um ano difícil na escola, algumas coisas em casa... bom gente já deu para sacar né?
Bom o que eu espero para ano que vem? Nada. Isso mesmo. Me arrependi de colocar muitas expectativas para 2014, e não foi bem assim que aconteceu, então fiquei meio chateada. Deixe esta coisa de adivinhar oque vai acontecer para videntes, coisa que eu não sou.
Bom mas isso não significa que não vou fazer promessas para ano que vem.

  1.  Esquecer os haters
  2. Desapegar do passado.
  3. Cuidar melhor do meu corpo.
  4. Passar mais tempo com a minha família e amigos.
  5. Nunca desistir dos meus sonhos e do amor.
E quais são as promessas de vocês? Feliz ano novo gente!!!!!!


Sim, eu sou uma idiota.

Quando vou aprender? Será que o destino gosta de tirar sarro da minha cara? Nem preciso de resposta! Como fui tola em acreditar em suas palavras? Como pude ser tão... cega? Ali estava uma garota com o coração partido, precisando de alguém, e lá estava você, um garoto infantil que estava entediado.
Eu acho melhor você sumir da minha vida, não estou pronta ainda para a batalha, acabei de sair de uma sangrando mas vencedora. Você não poderia pelo menos me dar um tempo para me recuperar?
Só você pode estar certo, apenas você pode ter tudo o que quiser. Não consegue aceitar um "NÃO" como resposta? Que pena! Problema seu! Então seu moleque vá crescer, te vejo daqui a alguns anos.
Não tenho tempo para perder com você. Então fiz este pequeno texto, para não esquecer a lição que aprendi com você, que não devemos confiar nas pessoas, não podemos acreditar em tudo o que dizem. Então siga sua vida, deixei uma última mensagem no seu celular, vai lá ver. Ate mais babaca.
  

Dúvidas garotos e Rock n' Roll: capitulo 12 Pedro

Já faz uma semana que Sophi não vem para a escola. Ouvi dizer que ela ainda não se recuperou da cirurgia. Tentei falar com os amigos dela, mas todos eles falaram a mesma coisa "eu não posso dizer nada, a família de Sophi pediu sigilo"
Pedro parecia um zumbi pela escola, sua palidez antes "atraente" , segundo as meninas, agora parecia assustadora, ele estava com olheiras profundas, seus olhos azuis pareciam ter perdido um pouco de vida, ele estava mais magro também.
Olho em volta e pego outro livro da biblioteca da escola. O lugar era grande e iluminado, tinha computadores encostados na parede branca, tinha pufs espalhados em todos os cantos. Tinha três estantes separadas para os livros mais surrados, eu estava na seção filosofia, procurando um livro para a aula de inglês. Quando viro para sentar em um puf vejo Pedro entrando na biblioteca, ele estava com jeans escuros folgados, seu cabelo, antes penteado, agora estava molhado e bagunçado.
Ele parou na seção fantasia, eu conheço apenas uma pessoa que gosta desse tipo de leitura
-Ela pediu para você pegar algum livro?
-E aí Fernando! Ela pediu para eu ver se tinha alguma novidade neste lugar.
-Como ela está? E nem vem me dizer "Eu não posso falar", porque eu já recebi essa resposta umas 10 vezes só hoje.
-Ela está em casa se recuperando da cirurgia.
-Mas já fazem uns 10 dias.
-Eu sei, mas é que foi meio complicada então....
-E você cara como está? Não me parece muito bem.
-Estou apenas cansado. Passar noites no hospital não é  fácil.
-Sei, mas se você quiser, eu posso entregar o livro para a Sophi, aí você pode ir para a casa descansar. Eu já estava querendo ver ela mesmo..
-Obrigado, mas eu não sei se ela quer ver alguém de fora agora.
-Mas você me disse que ela estava bem.
-Eu sei mas, é complicado. Mas eu falo para ela que você mandou um oi.
-Claro que fala.
-Agora eu tenho que ir. Tchau
-Tchau.
Ta bom Pedro, acredito em você. Obvio que Sophi quer me ver. Ninguém sabe, mas uma noite quando ela estava no hospital, eu entrei de fininho no quarto dela, os pais estavam com o medico e Pedro teve que ir para casa. Sophi estava dormindo, mas eu sentei do lado dela e peguei em sua mão, ela abriu um pouco os olhos e depois os fechou, com certeza ela se lembra disso. Tivemos uma conexão, e Pedro nenhum vai nos separar.
Não achei a porcaria do livro. Suspirei e sai daquele lugar, como Sophi conseguiu passar a maior parte do tempo aqui? Fui para o corredor do meu armário, o piso branco encerado estava muito liso, os armários vermelhos estavam todos fechados, estava apenas eu no lugar. Abri meu armário e peguei minha mochila, meus fones de ouvido e alguns livros para fazer a lição de casa.
Saí da escola e fui para a casa de Sophi. Dane-se o que o Pedro disse. Sophia precisa de mim.
Parei na entrada da casa, e apertei a campainha. A mãe do Sophi, Ana, apareceu, ela estava usando um vestido preto com flores brancas desenhadas nele, usava sapatos estilo boneca pretos também.
-Olá Fernando, posso ajudar?
-Posso ver a Sophi?
-Ela não pode receber visitas, no momento ela está indisposta. Mas eu digo a ela que você passou aqui.
-Então porque o Pedro está aqui?
-Ele é NAMORADO de Sophi, eles tiveram uma ligação muito forte. Sophia Precisa dele e ele precisa estar do lado dela.
-Ela está bem? Por que não pode receber visitas?
-Fernando por favor não insista. E mesmo se ela pudesse receber, ela está dormindo agora, nem vai reparar em você.
-Por favor dona Ana! Um segundo, me deixe ver Sophi?
-Um segundinho?
-Um segundo.
-Ok, mas não a acorde.
-Obrigado.
Entrei na casa dela, estava diferente desde a última vez que vim aqui. A sala grande estava com uma estante preta e marrom elegante, a Tv gigante estava grudada na parede branca, eles trocaram o lustre. O sofá vermelho era grande e parecia aconchegante cheio de almofadas, a mesinha de centro tinha revistas e controles remotos. A escada que dava nos quartos continuava impecável, com um corrimão de madeira escura, subi e vi que o quarto de Sophi estava com a porta ligeiramente encostada.
Com apenas uma leve batida minha ela se abriu, primeiro eu vi uma garota na cama, quando me aproximei vi que era Sophi. Ela estava... diferente.
Seu cabelo estava sem brilho, sua pele estava mais pálida do que o comum, e ela havia perdido peso... muito peso.
-Que porra é essa?- eu disse sem pensar.
-O que você está fazendo aqui?
Só agora que eu percebi que Pedro estava sentado na poltrona do lado da cama.
-A mão dela me disse que eu podia entrar um segundo para vê-la. Mas me disse que Sophi estava dormindo. O que aconteceu com ela?- apontei para a garota que estava na cama.
Pedro deu um suspiro e me empurrou para fora do quarto.
-Não fale assim! Já viu ela, pronto pode ir embora.
-Não me diga o que aconteceu!
Ana subiu correndo as escadas.
-Rapazes parem! Fernando vá embora.
-O que aconteceu com a Sophi? Por que ela está desse jeito?
-Cara cala a boca! Sai daqui!
-O que foi Pedro? Já cansou do teatrinho de "vamos deixar isso para lá" ?
-Cara eu fui sincero com você! Mas se você não quer acreditar problema seu!
-Fernando por favor. Saia daqui.
Olhei para dona Ana e para o Pedro, desci as escadas correndo e saí pela porta. Ele ainda me paga

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e rock n' roll: capitulo 11 Pedro

Depois do ataque de fúria de Sophi, os pais dela me ligaram, disseram que ela estava no hospital desmaiada. Após ela ter desmaiado em casa, eles a levaram para o doutor Henrique vê-la, ela acordou no hospital mas não se acalmou, começou a gritar e as enfermeiras tiveram que dar tranquilizantes nela.
Agora ela está "dormindo", os pais dela tiveram que ir falarem com o médico, então nos deixaram a sós. Sophi não está mais a mesma, nem de longe, ela continua bonita, mas seus olhos perderam um pouco do brilho  que tinham. Sua pele estava mais pálida do que o normal, seus lábios perderam o tom cor de rosa adorável que tinham, ela tinha perdido peso também, suas pernas antes musculosas agora estavam esqueléticas, seu cabelo tinha perdido um pouco dos brilho, estava meio ressecado. Eu não ouço a voz dela a mais de 3 dias.
Eu tentava ir ate a casa dela, mas a dona Ana disse que Sophi não estava disposta para ver ninguém, mas ela não me disse como a situação era grave. Quando ela me disse o que tinha acontecido entrei em shock, essa não era Sophi que eu conhecia. Segurei na mão dela, que antes firmes e cheias, agora estavam fracas e esqueléticas. O Doutor entrou no quarto, junto com os pais de Sophi.
Ele parou por um minuto e me olhou, e olhou de volta para os pais da Sophi, eu sabia o que esse olhar significava, "desculpe rapas, esse é um assunto apenas para a família".
-Tudo bem Doutor, ele também tem que ouvir isso.
Olhei assustado para eles.
-O que está acontecendo com a Sophi?
-A resposta para a pergunta de vocês é depressão. Ela precisa de ajuda, se não, não sabemos onde isso pode parar, hoje um ataque de nervos a manhã... só Deus sabe.
-Que tipo de ajuda você está falando?
-Psiquiatria.
-Foi com uma psiquiatra que isso tudo começou.-lembrei- não sei o que ela disse para a Sophi- levantei minhas mãos para o alto- mas eu conheço a Sophia bem o suficiente que ela não explodiria sem a Doutora Vanessa ter feito nada.
-A Doutora Vanessa, me disse, que fez algumas perguntas sobre canto para a Sophi, e quando ela perguntou qual era a sensação a Sophia simples mente explodiu.- os pais de Sophi e eu demos uma troca de olhares preocupados- alguma coisa que eu deva saber?
-Doutor cantar é a coisa mais importante da vida de Sophi, quando o senhor disse que poderia não haver chances de ela voltar a cantar, ela ficou desesperada, sem saber o que fazer.
-Ela te disse isso Pedro?
-Não, mas eu conheço minha namorada, e eu sei que ela não está bem.
-Como pode afirmar isso?
-Você está brincando não é? Basta apenas... olhar para ela! não vê o quanto isso a machuca! Nem você, nem essa tal de Vanessa estão facilitando a coisa! A Sophi precisa de nós!
-Rapaz fique quieto! Você acha que está ajudando iludindo ela? É mais fácil a realidade! Essa garota está morrendo caso vocês não saibam!
Todos na sala ficaram quietos. As palavras do Doutor me paralisaram, nada mais fez sentido. Eu já estava com lagrimas nos olhos quando ouço alguém bater palmas, não preciso me virar para saber que Sophia tinha acordado e que ela estava ouvindo cada palavra:
-Isso mesmo Doutor. Todos nós morremos, só que algumas pessoas vão mais cedo do que as outras.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Dúvidas,garotos e rock n' roll: capitulo 10 Sophia

Dois dias depois da cirurgia, eu já estava em casa, finalmente livre daquele  hospital. O Doutor Henrique me disse, que saberíamos o resultado da cirurgia amanhã. Ele recomendou repouso e que eu não falasse muito, e que nem pensasse em cantar. Obvio que isso foi uma tortura para mim. Já foi muito difícil ouvir meu pai ligando para a Vera desmanchando o ensaio de hoje, eu nunca na vida desmarquei  um ensaio.
-Sinto muito Sophi.
-Tudo bem pai.
Passei os últimos 2 dias, no meu quarto, ele era aconchegante, trabalhei muito nele para ele ser assim. 3 paredes eram brancas, tinha uma pintada de rosa claro. Eu não tinha um guarda-roupa. meus pais fizeram um closet para mim, para desocupar espaço. A tv ficava grudada na parede. Minha estante de livros é enorme. Como estamos perto do natal coloquei um pisca pisca branco. tem um espelho enorme pregado na parede, meu violão descana bem ao lado dele. Adoro ficar na janela grande que é virada para o jardim dos fundos. Eu fico lá apenas pensando, foram lá que composições nasceram, leio livros ou eu faço exatamente o que eu estou fazendo agora. Nada. Apenas olhando para o jardim, não pensando em nada. Ontem a noite eu adormeci lá. Não saio de lá, a menos que seja para ir ao banheiro. Mas eu não fui  para a sala, nem para a cozinha, não sai de casa.
Mamãe até se preocupou comigo, tentando me fazer sair de casa, mas eu não a ouvia. Meu celular descarregou no hospital, e não me dei o trabalho de carrega-lo de novo. As pessoas vinham me visitar, entravam no meu quarto, mas eu não conversava com elas. Elas falavam comigo como se estivessem falando com uma criança de dois anos.
Uma vez ouvi atrás da porta quando sai do banho, minha mãe e um amigo conversando:
-Eu não sei o que está acontecendo, desde o hospital ela não fala, o médico disse que a voz dela voltara, mas ela não pronunciou nenhuma palavra.
-Ana, ela não está bem. Eu tentei conversar com ela, mas ela apenas ficou olhando para fora sem nem olhar para mim.
-Ela está apenas desorientada.
Quando ouvi essas palavra não aguentei mais, fui para o meu quarto e bati a porta com força, para eles saberem que eu ouvi tudo.
Dormi está noite denovo na janela. Acordei sozinha, a minha porta está fechada, encosto meu ouvi na madeira fria, mas não ouço nada. Olho no relógio, são 11:30. Ultimamente eu estou dormindo ate tarde. Minha consulta com o Doutor foi marcada para as 14:00. Hesitei antes de abrir a porta do meu quarto, com medo de sair dele, parecia que apenas lá eu estaria segura, que nada me aconteceria.
Desci as escadas com minhas pantufas, para não fazer barulho, olhei na sala ninguém, olhei na cozinha ninguém, os banheiros também estão vazios. Os jardins, o da frente e o do fundo, não tinham ninguém. Apenas Bryan estava em casa pelo o que eu vi.
-Cade todo mundo?- perguntei com minha voz rouca acariciando-o, ouvi o barulho de um carro, o portão automático sendo aberto.
Subi as escadas correndo e me tranquei no quarto. Ouvi a porta da sala sendo aberta, os sapato de salto alto de mamãe fazendo o costumeiro toc toc, que ele faz.
Ouvi vozes, mas não entendi o que estava acontecendo.
Alguém está subindo as escadas, voltei para a janela, fingindo que nada estava acontecendo.
-Filha?- disse minha mãe batendo e abrindo a porta- gostaria de te apresentar uma pessoa.
Olho para ela calmamente, do lado da minha mãe, está uma moça negra bonita, seus olhos eram pretos e grandes, seu corpo era esbelto e cheio de curvas, seu cabelo cacheado estava preso em um rabo de cavalo delicado, sua blusa amarela realçava o tom de sua pele, e seus sapatos de salto alto eram vermelhos e elegantes.
-Essa é a doutora Vanessa, ela gostaria de te conhecer.
-Prazer Sophia, como vai?
Sua voz era calma e profunda, como um ronronar.
-Estou bem.
Detesto o fato de mim voz ter saído fraca e com um leve tremor.
-Ana, poderia me deixar a sós com a Sophia?
-Claro qualquer coisa estou lá em baixo.
Minha mãe fechou a porta cuidadosamente.
-Eu posso me sentar.
Vanessa apontou para uma poltrona velha cor de rosa que estava perto da janela. Eu fiz que sim com a cabeça.
-Eu sou amiga do Doutor Henrique, ele disse que eu iria gostar de você! Eu sou psiquiatra.
-Legal.
-Sua voz ainda não está 100% ?
Não sei porque mas aquele pergunta doeu. Dei de ombros e olhei de novo para a janela.
-Esse ainda é um assunto delicado né? Quer conversar?
-O Doutor disse para eu não falar muito e que eu nem pensasse em... cantar de novo por enquanto.
-Você canta né? Sua mãe mostrou um video seu. Você canta muito bem...
-Sem querer ser rude, mas você não está ajudando. E eu tenho uma consulta como doutor as 14:00 ta bom? Então nem perca seu tempo comigo.
-Não estou perdendo tempo com você. Me fale mais sobre como é a sensação de cantar.
Uma raiva cresceu dentro de mim. Ela estava cutucando uma ferida que doía de mais, quando eu percebo estou olhando nos olhos dela, bem perto, e falo a primeira coisa que vem na minha cabeça:
-É incrível a sensação ok?! Mas eu não quero falar disso! Porque doí de mais! Então vai cuidar de sua vida e me deixe em paz! Não me interessa de quem você é amiga ou quem é você! Sai daqui e para de me machucar! Eu não quero falar sobre isso! Ouviu? EU NÃO QUERO MAIS SABER DE PORCARIA NENHUMA!
Assim que termino de dizer tudo isso, minha cabeça começa a girar, não consigo entender nem ver mais nada, eu caio no chão a Doutora está chamando o meu nome e aí... eu desmaio.


sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e Rock n' Roll: capitulo 9 Fernando

Os pais da Sophia não me deixaram entrar para vê-la, Pedro explicou tudo o que aconteceu para eles, do jeito dele claro.
Ainda revivo aquela noite horrível.
Tudo aconteceu em câmera lenta, quando vi o carro pensei que seria o fim dela, eu estava em choque, não consegui me mover, vi Pedro indo ate Sophi e tirando ela da estrada. Depois ouvi ele implorando para ela não fechar os olhos, que ficasse com ele. Sophi frechou os olhos pela expressão de Pedro, ele começou a chorar e gritar.
Ele olhou para trás, e me viu:
-Porque está parado aí?! Ligue para a emergência! Rápido idiota! Ela está desmaiada!
Quando passou um carro seus faróis iluminaram o rosto de Sophi, tinha sangue demais ali, na sua cabeça, em seus braços, tudo!
-Puta merda Fernando! Se mexe!
Como não reagi, frustrado, Pedro pegou seu celular e ligou para emergência, ele falou a rua que estávamos e o que tinha acontecido. Minutos depois a ambulância chegou, Pedro foi junto com ela e eu fiquei para trás, sem saber o que fazer.


Lembrar disso me assusta, se Pedro não tivesse feito nada, e Sophi dependesse de mim, ela poderia não ter resistido. A sala de espera do hospital, era clara, o relógio na parede com o nome de algum remédio de depressão como logotipo marcava 8:15 AM, eu estava ali esperando notícias a 3 horas.
Quando as portas da UTI abrem acho que é o medico de Sophi, mas era só Pedro, ele estava lá desde a 1:00 AM, não sei como ele estava aguentando.
Ele me viu e se sentou do meu lado, com um copo de café na mão, meu primeiro pensamento é sair dali, para não arranjar confusão, mas eu vejo que as mãos dele estavam tremendo.
-Como ela está?
-Não que te importe, mas ela acordou.
Entendo a amargura dele, também estou assim comigo mesmo e com toda a situação. Mas saber que Sophi acordou já é um grande alivio.
-E o que o Doutor disse?
-O pai da Sophi acabou de me dizer que, ela não consegue falar, o doutor disse para os pais dela, que vai precisar ser feita uma cirurgia, porque ela caiu, e teve um corte na garganta. Mas se houver complicações.... ela não vai poder fazer algumas coisas que forcem a garganta... como por exemplo cantar.
-Meu Deus! E quando ela vai fazer a cirurgia?
-Os enfermeiros já estão preparando ela. Cara eu juro por Deus se alguma coisa der errada....
-Não vai dar nada errado, ela é forte, vai dar tudo certo.
-Fernando nós temos nossas brigas mas, cara isso foi longe demais, olha onde estamos. Então acho melhor colocarmos nossas diferenças dela, porque tem uma menina naquela sala, que precisa descansar e muitas energias positivas envolta dela, e nós brigarmos não vai adiantar nada.
-Eu concordo, a Sophi precisa da gente.
-Eu viu pegar outro café, você quer?
-Não valeu.
Pedro foi direto para a cantina.
"Deixar nossas direfenças de lado"
Ta bom que eu vou fazer isso. Ele me acha idiota? 
Vamos ver quem ganha a Sophi no final.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Aviso

Gente, não vou postar nada hoje no blog, por questões de família. Não vai dar para postar nada. Amanhã o blog volta a ser atualizado normalmente.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e Rock n' Roll: capitulo 8 Sophia

-Não feche os olhos!
Foi a última coisa que eu ouvi, depois tudo ficou branco, não consegui falar nada.
Quando abri os olhos de novo, vi uma luz forte, eu estava em um quarto grande, a parede estava pintada de um verde nenhum pouco atraente, o quarto era muito claro, tinha umas agulhas enfiadas nos meus braços, quando minha visão se focalizou, vi um Pedro no sofá de acompanhantes chorando, minha mãe, estava sentada do lado dele, chorando também.
Será que eles não conseguem ver que estou acordada? Tento me mexer, mas tem muitos tubos em minha volta, tento falar, mas não consigo também, meu pai entra pela porta com um copo de café na mão, ele para um minuto e olha para mim, sua expressão vai de cansado para feliz.
-Ana! Ela acordou!
E veio em minha direção, com os braços abertos, me deu um abraço, meu corpo começou a latejar. Minha cabeça doía muito, mais do que quando minha enxaqueca resolvia aparecer.
Pedro meio sem jeito chegou perto da cama, ele não piscava, seus olhos azuis estavam petrificados, presos aos meus.
-Voc...Voc...Você está bem Sophi?
Apenas balancei a cabeça indicando que sim, ainda não conseguia falar.
Meu pai apertou um botão vermelho, que estava do lado da minha cama, imediatamente uma enfermeira apareceu, junto com um doutor.
-Olá Sophia, sou o Doutor Henrique. Como está?
Fiquei em silêncio. Por que não consigo falar? Por que?
-Sophia! Como está?- repetiu o doutor, só que mais alto.
Não consegui responder de novo, apontei meu dedo para a minha garganta, tentando indicar o que estava acontecendo.
-Não consegue falar?
Fiz que não com a cabeça.
-Acho bom fazermos alguns exames, vou pedir que todos saiam, isso pode demorar um pouco.
-Como assim? Minha fila está bem não está? O senhor disse que quando ela acordasse do coma, ela não teria sequelas.
-Eu sei, isso pode ser apenas pelo choque e daqui a pouco volte a voz dela, mas por via das dúvidas é melhor fazermos um exame só para confirmar. Por favor se retirem.
-Você vai ficar bem viu? Daqui a pouco você vai sair daqui, e vai cantar muito ainda viu?
-Senhora Ana.
O doutor olhou para minha mãe com cara de "Por favor, não de esperanças para ela"
-Então Sophi... posso te chamar assim?
Balancei a cabeça dizendo que sim.
-Vamos fazer alguns exames, para vermos oque aconteceu com sua garganta. Pelo o que eu ouvi você canta não é? Tem uma apresentação chegando, tomare que sua voz esteja boa no dia.

"Tomare?"

-Abra a boca por favor. Parece que suas amidá-las estão inflamadas.

"Amídalas inflamadas? Não parece sertão ruim assim, eu já vi pessoas com isso e que recuperaram sua voz uns 2 dias depois do tratamento. Eu ai ter que adiar os ensaios mas fazer o que?"

-Vou providenciar seus exames ok? Tente descansar, isso é muito importante.
Ele saiu da sala com uma cara de preocupação, se passaram 2 horas e nada, 3....
3 horas e meia depois o doutor retornou ao quarto, com uns papéis na mão, meus pais estavam bem atrás dele, pareciam tristes e abatidos.
Assim que eles entraram fecharam a porta.

"Cade o Pedro?!" Eu queria gritar "Onde ele está? Por que ele não está aqui"

-Eu quero conversar apenas com a família, seu namorado está na cantina, com seus amigos.- falou o doutor- sua filha está com as amidá-las inflamadas, no acidente ela bateu em uma pedra, e a pedra machucou sua garganta, por isso esse arranhão, e isso acabou provocando essa falta de voz. Vamos  ter que fazer a cirurgia. Mas eu já vou avisando, o corte foi profundo, se houver ocorrências ou problemas durante a cirurgia, pode ocorrer danos permanentes, na Sophi, danos que vão custar muito altos para ela.

"Em outras palavras: se der alguma coisa errada na cirurgia eu nunca mais vou voltar a cantar"

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e Rock n' Roll: Capitulo 7 Pedro

Depois de uns 10 minutos Sophi e eu descemos da casa da árvore e voltamos para a pista, estava tocando uma música agitada, acho que era She look so Perfect, do 5 Seconds Of Summer.
-Eu vou falar com a Ângela, ela está na pista, ta bom?
-Ta, eu vou pegar umas bebidas para a gente.
Sophi me deu um beijo discreto no canto da boca e se afastou. Fui direto em direção ao "bar", que obviamente, não tinha bebida alcoólica alguma, acho até bom, meu pai morreu quando estava dirigindo bêbado.
-Dois refrigerantes por favor!
-Pode deixar.
Nem acredito que eu e a Sophi estamos juntos! Nossa, que reviravolta, foi tão rápido, ela deve está contando isso para a galera agora.
-E aí Pedro! To sabendo da Sophia e de você! Já estava na hora, todo mundo viu o clima. Como você está?
-Poxa Ricardo, felizão né? Quem diria, eu e Sophi juntos.
-Você sabe que o Fernando não vai deixar isso assim né? Ele já não ia com a sua cara, agora...
-Eu não tenho medo dele. E eu acho, que, agora que eu e Sophi estamos juntos, ele vai acalmar e ver que não pode fazer mais nada.
-Aham vai sonhando.
-É serio cara!
Peguei os refrigerantes e fui atrás de Sophi,ela estava no canto da pista com a Ângela e mais umas pessoas.
-Quer dizer que tem casal novo é?
-Isso mesmo, sorte nossa, azar dos outros meninos.
-Para Pedro!
Sophi ficou tímida, suas bochechas coraram, peguei ela pela mão e a levei ate a pista de dança. Estava tocando uma baladinha lenta, era Adore You da Miley Cyrus.
-Está feliz- perguntei.
-Sim! Foi meio rápido mas... está sendo maravilhoso.
E ficamos lá por mais 2 músicas, faltavam 10 minutos para meia noite.
-Acho melhor a gente já ir, não quero que o sogrão tenha uma ma impressão de mim logo  no nosso primeiro encontro.
-Pare de chamar ele de sogrão, porque ele não gosta disso.
-Ok parei.
Nos despedimos de algumas pessoas e caminhamos para a porta, a noite estava fria, então dei meu blazer para Sophi para ela não setir frio. Estávamos esperando para atravessar a rua quando ouço um barulho, olho para trás, para as árvores mas não vejo nada.
Clic
Clic
Clic
Fernando sai de trás de uma árvore e parte para cima de mim, ele voou literalmente em cima de mim, começamos a brigar, ele parecia bêbado, senti cheiro de álcool vindo da respiração dele.
-Parem!
Sophi estava tentando separar a briga, eu estava tomando cuidado para não machuca-la porque ela estava muito perto  de nós dois. Fernando me jogou no chão e foi para cima de Sophi, eu estava tentando levantar o mais rápido possível. ,as ele havia acertado minha barriga.
-Eu disse para você ficar longe dele!
-Fernando me solta!
Ele estava segurando o frágil puço de Sophi com força, o rosto dela estava mais pálido do que o normal, eu ainda não conseguia me levantar.
-Me solta! Você está me machucando!
-Eu te disse para ficar longe dele! Por que você não me ouviu? Você gosta de mim lembra?
-Fernando sério me solta!
Uma raiva cresceu dentro de mim, fui para cima dele.
-Solta ela!
Fernando largou Sophia e ela caiu no chão, e começou a se levantar, até que nós ouvimos um barulho, faróis acesos, Sophi estava no meio da estrada corri para tentar tira-la de lá a tempo, mas o carro estava muito rápido, Sophia viu o que estava acontecendo se levantou rápido, e se jogou para o outro lado da estrada, ela bateu a cabeça em uma pedra. O resto do tempo passou muito devagar.
Eu fiquei paralisado no lugar, Sophi estava do outro lado da estrada, Fernando estava em choque também.
-Sophia!Sophia!
Corri para o outro lado da estrada.
-Não feche os olhos! Não feche! Está ouvindo? Fique comigo.
-Pedro....
Então eu vi a menina que eu amo fechar seus olhos, e seu aperto na minha mão ficou mais fraco.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e Rock n' Roll: capitulo 6 Sophia


-Fernando para!
Pedro se levantou e deu um soco na barriga do Fernando, os dois começaram a se socar, ninguém vinha para separar aquela droga de briga, fiquei no meio deles dois tentando separar aquilo.
-Gente para! Isso não vai levar a nada. Pedro por favor por mim para!!
-Sophia ele veio me dar um soco!
-Cala sua boca seu otário! Você mereceu!
-Gente para!
-O que está acontecendo aqui?
-Desculpe diretor, foi apenas um mal entendido.
-Escutem aqui! Se tiver outro "mal entendido", eu acabo com tudo estão ouvindo bem?
-Sim senhor.
-Isso ainda não acabou.
-Fernando não começa.
-Sophia, esse cara não é bom para você. Ele já se envolveu em muita briga, provavelmente já levantou a mão para você!
-Cala a boca! Se vocês já tiveram suas briguinhas infantis o problema é de vocês! O Pedro já se envolveu em muita briga sim, mas isso é problema dele e não seu, e não que seja da sua conta, mas ele nunca levantou a mão para mim, e eu confio que ele nunca vai me fazer mal.
-Vem Sophi, não vale apena. Vamos para outro lugar.
-Isso ainda não acabou Pedro.
-Nisso você pode apostar.
Pedro e eu fomos para o outro parquinho, que ninguém mexeu, subimos na casinha de madeira, e ficamos ali por um tempo apenas olhando para o céu.
-Desculpe Sophi, não quis que isso acontecesse.
-Está tudo bem, ele começou errado por te bater primeiro, mas você deu continuidade ao erro, mas eu entendo, eu faria o mesmo.
Quando termino de falar isso olho para o rosto dele, seus olhos azuis se encontraram com o meu, nunca me senti tão perto de alguém assim na minha vida. Naquele pequeno gesto, senti como se eu soubesse tudo sobre a vida do Pedro e senti que ele sabia tudo sobre mim também.
Meu coração começou a bater muito rápido, minha respiração acelerou, olhei mais uma vez naqueles olhos azuis, nós nos aproximamos, fechamos nossos olhos e nos beijamos, nossas bocas se encaixaram perfeitamente, o beijo de Pedro era de tirar o folego. Nos separamos e nos olhamos, rimos e nos beijamos de novo, só que dessa vez mais intensamente. Quando nos separamos de novo, ficamos um tempo sem falar nada, ate que ele pegou na minha mão e disse:
-Você não sabe o quanto eu esperei por isso. Eu gosto muito de você Sophi, e eu vou fazer de tudo para nós ficarmos juntos.
-Eu também gosto muito de você Pedro, e é tudo muito confuso mas...
-Não precisa falar.
E ficamos ali o resto da festa.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Finalmente Férias!

10 gifs que definem as suas férias.

1. Agora você pode jogar o despertador fora e dormir até mais tarde.

2.Você vai poder aproveitar o sol para pegar uma corsinha

3. Vai poder passar uns dias na casa da sua avó, ou de outra parente sem fazer absolutamente nada e só comendo as gordices que elas fazem

4. Vai poder bater perna no shopping, na balada, ou até ficar batendo perna na rua sem se preocupar se tem alguma lição para fazer e como estamos em horário de verão, você ganha mais uma horinha.


5. Você vai ter tempo para testar aquele make maravilhoso que você estava tentando fazer!

6. Pode juntar "azamigas" e fazer uma party hard

7. Pode fazer maratonas de suas séries favoritas.

8. Se está solteira, já está sonhando com um amor de verão, como as histórias do Nicholas Sparks

9. Você pode ficar com a sua família por mais tempo.E dar mais atenção para o seu irmãozinho.


10. Boas férias pessoal.

Dúvidas, garotos e Rock'n Roll: capitulo 5 Fernando

-Cara por que você não vai para a festa?
-Porque eu não quero Leo! Só vai ter gene chata lá.
-Qual é Fernando! Toda a galera vai! Você tem que ir, é a primeira festa legal que vai ter naquela escola!
-Já disse que não!
-A Duda vai, sei isso te anima.
-Cara eu já disse que ó fiquei com ela uma vez e que eu não sinto mais nada por ela.
-Tudo bem, então a Sophia vai se isso te anima.
-Cala a boca.
-Só estou dizendo que se você não aparecer lá, o Pedro vai, e pode acabar rolando....
-Eu já pedi para você calar essa boca!
-Então vamos cara! Por favor!
-Se eu for você promete que vai fechar essa sua boca.
-Eu prometo.
-Ta bom.
Levantei e fui me vestir, não quero ir nessa droga de festa, porque eles inventaram esse negócio de festa do terror se nem é Halloween? Podiam fazer isso na formatura! Aproveitar que ela está chegando. Vesti meus jeans claros e largos, calcei um all star preto e e coloquei uma camisa branca, joguei meu cabelo para o lado, acho que assim está bom.
-Vamos cara! Está parecendo uma menina se arrumando!
-Leo! Pela última vez: CALA ESSA BOCA!
Saímos de casa e fomos para a escola, como moro perto de lá, não demoramos muito para chegarmos.
Mal entramos naquele lugar, e a música alta me atingiu, estava tocando um tipo de rock, mas um rock antigo, acho que era Twist and Shout dos Beatles, pelo menos a música era boa.
-Cara olha a Julia lá, vou falar com ela. Quem sabe acontece alguma coisa.
-Com a Julia? Vai sonhando, ela não quer mais saber de você, desde aquela festa ano passado, lembra que você derramou refrigerante nela?
-Foi um acidente, e isso já passou, espero. Me deseje boa sorte.
-Boa sorte.
Pronto já estou sozinho.
A decoração do ginásio está mesmo incrível, o pessoal do comitê se superou, a iluminação está baixa, o local está lotado de teias de aranhas falsas, a parte verde da quadra, está com lápides abertas. os balanços do parquinho está com bonecas sentadas neles, todos estão bem vestidos, e parece que estão se divertindo de verdade. Tem até um cara fantasiado de palhaço... Sophia tem medo de palhaços. Será que ela está aqui está noite? Se está, tomara que ela e esse palhaço não se encontrem. Parece que a pista de dança está bombando. Acho que vou lá dar uma olhada.
-E aí Fernando! Tudo bem cara?
-Oi Caio. Tudo Beleza.
-Cara, está assustador isso aqui não é? Foi ideia da Sophia colocar as lápides abertas, e você viu as bonecas nos balanços?
-A Sophia está aqui?
-Ela está, acho que está lá na pista de dança. Mas eu acho que ela está com o...
-Valeu cara.
-Espera aí!
Mas eu não parei para ouvi-lo, tinha que pedir perdão para ela, tinha que explicar tudo, a música ficava cada vez mais alta, eu estava perto da pista, consegui ver o cabelo liso, grande e castanho claro de Sophia, ela estava dançando com um menino, talvez o Ricardo, mas quando chego mais perto vejo que ela está dançando colada com o Pedro, uma coisa cresceu dentro de mim, acho que raiva. Eu não consigo mais me controlar, quando me dou conta estou avançando na direção deles, tiro ele de perto dela, olho Pedro nos olhos e dou um soco na cara dele.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Dúvidas, garotos e Rock'n Roll: capitulo 4 Sophia

Adormeci no sofá da sala de música, mas acordei no meu quarto, nossa eu deveria estar muito cansada para não acordar, meus pais devem terem ido me buscar. Estou voltando a deitar, quando alguém bate na minha porta.
-Pode entrar.
Assim que digo isso me arrependo, nem sei como está o meu cabelo, nem a roupa que eu estou vestida! Meu pai entra no meu quarto, sua camisa branca estava ligeiramente amassada, suas calças largas estavam um pouco sujas, ele deveria estar andando de skate, já que hoje é.... sei lá que dia é hoje!
-Posso falar com você pequena?
-Claro!
Sentei na cama e passei a mão pelos meus cabelos (tentando) desembarassalos.
-Então, o que a senhorita estava fazendo lá na escola dormindo?
-A Vera pediu para eu ir lá, vai ter outro festival! E eu me inscrevi, e nós estávamos vendo que música vou cantar, e eu decidi cantar uma minha!
-A Vera já me disse isso, estou orgulhoso de você! Mas por que não voltou para casa? Por que ficou por lá?
-Porque eu precisava pesar um pouco.
-Fernando de novo?
-Pai!!!
-O que é? Eu sei das coisas!
-Não é só o Fernando, é o Pedro também.
-Espera aí, esse Pedro é personagem novo. Quem é ele?
-É um garoto da minha escola, nós conversamos muito e eu estou, meio em dúvida....
-Escute querida, eu não sei se eu entendi muito bem a história, mas não tome nenhuma decisão agora, você acabou de conhecer esse garoto, então vá com calma, deixe o seu coração pensar um pouco, depois escute a decisão dele. Não espere que este Pedro seja perfeito, nem que ele substitua o Fernando na sua vida, porque ninguém que passa na nossa vida é substituível.
-Então está dizendo que mesmo depois de tudo que o Fernando fez para mim, eu devo continuar gostando dele?
-Não, estou dizendo para você não tomar decisões precitadas, Sophi vários garotos vão aparecer na sua vida, e todos eles vão ser únicos em sua vida, não tente substituir ninguém, apenas adicione pessoas na sua vida, está bem?
-Está bem.
-E é melhor serem bons meninos viu?
Deu um beijo na minha bochecha e saiu do meu quarto. Peguei meu celular para ver que dia que é hoje.
Sexta, dia da festa do terror na escola, foi aí que eu percebi que eu não tinha roupa alguma para vestir. Bryan, estava na frente do meu guarda-roupa, tirei ele de lá,e fui procurar alguma, achei tudo, ate um portal para Narnia, menos a roupa que eu queria. Até que lá no fundo o armário achei um vestido curto, rendado rosa e uma meia calça preta toda desfiada. Perfeito! Me vesti, calcei sapatos pretos estilo boneca e fiz uma maquiagem leve.
Desci as escadas e olhei para os meus pais:
-E aí? Que tal?
-Você está linda tampinha!... Trate de ficar em casa.
-Pai!!
-Pare com isso Carlos! A menina é jovem tem que se divertir mesmo! Está linda filha!
-Valeu mãe!
-Quando seu amigo vai chegar?
-Sei lá, daqui a pouco acho.
-Estou louca para conhece-lo.
-Mãe não! Por favor!
-Qual é filha! O que tem de mais seu pai e eu conhecermos o rapaz?
Bling, meu celular tocou, mensagem nova:
"Soph, eu já estou na sua porta, pode vir abrir?"
-Ele chegou, tchau gente.
-Espera aí mocinha. Não vai convidar o garoto para entrar?
-Pai!
-É eu sou seu pai, agora vamos tampinha deixe o rapaz entrar.
Suspirei e abri a porta, Pedro estava lindo para ser franca, ele estava vestindo jeans pretos largos, e uma camiseta vermelha contrastando em sua pele pálida, e ele vestia um blaser chique preto.
-Uau! Tudo isso só para uma festa na escola?
-Você está falando o que? Todos os meninos só vão olhar para você.
-Ta não força.
-Então querida quem é seu amigo?
-Pai esse é  o Pedro. Pedro esses são meus pais, Carlos e Ana.
-Prazer em conhecer vocês.
-Prazer em conhece-lo também.
Silêncio absurdo.
-Então Pedro, vamos?
-Esperem aí. Pedro sente aqui um minuto, quero lhe fazer algumas perguntas.
-Pai!
-É eu já disse que sou seu pai. Então Pedro, quantos anos tem?
-15.
-Trabalha?
-Não.
-Planos para a faculdade?
-Sim, quero ser biólogo.
-Impressionante.
-Obrigado senhor.
-Senhor está no céu filho.Então acho que já prendi vocês de mais, podem ir, e traga a Sophia até meia noite, está ouvindo?
-Claro, obrigado.
-Tchau mãe, tchau pai, amo vocês.
Saimos de casa e começamos a caminhar em direção a festa, Pedro pegou em minha mão, e começou a dar risada.
-Foi tão embaraçoso para você como foi para mim?- perguntei.
-Ele é legal, está apenas preocupado com você.
-Ele gostou de você, se ele não tivesse gostado, ele nem deixaria você passar pela aquela porta comigo.
-Isso parece um bom sinal, o sogrão eu já ganhei e a sogra também.
-Vai com calma colega.
-Estou só brincando.
E falando isso, ele me abraçou e viramos a esquina e entramos na escola.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O que é o amor?

Você já se fez está pergunta? Eu me fiz a muito tempo, e a resposta, por menos que eu goste dela é: tudo.
O amor é tudo, ou melhor, ele causa tudo, ele desafia as leis da fisíca, o ser humano é incapaz de entende-lo, e isso nos deixa loucos não é?
O amor simplesmente zomba de nós. Somos burros para ele. Existem vários tipos de amor, o platônico, a paixão, o amor adolescente. Mas qual desses amores é o certo? Todos ou nenhum? Amor é uma questão de ponto de vista. Tem gente que acha ele a coisa mais maravilhosa do mundo, tem gente que acha que ele não existe, tem gente que pensa que ele é desprezível... poderíamos ficar aqui a vida toda.
Demorei para entender que paixão não é a mesma coisa que amor, eu sabia que era diferente, mas não entendia porque era diferente. Eu nunca amei nenhum garoto de verdade, eu apenas me apaixonei por algumas pessoas na minha vida. Eu aprendi, que o tempo nunca vai apagar aquele pessoa da nossa vida, ela vai ser única e nunca vai sumir, o tempo não é mágico desse jeito. Falo que deixei aquele garoto para trás, e não é mentira, ele ficou para trás, mas ele ficar para trás não significa que eu o esqueci, significa que ele ficou apenas na minha memória, ninguém que passou pela nossa vida é substituivel, todas as pessoas são únicas. Agradeço pelo tempo não apagar esses garotos da minha mente, nem da minha vida, poi´s se eu os esquecesse, eu esqueceria da minha história e de minhas lições e experiências, e não vale apena perde-las.
Bom, mas o que eu sei né? Sou apenas uma garota, que já quebrou a cara muitas vezes com a paixão na vida, mas que mesmo assim não deixa de acreditar no amor, Uma boba apaixonada, que apenas quer entender um pouco o que ela sente. Para mim o amor, é o sentimento mais verdadeiro que alguém pode ter, um sentimento que apenas pessoas especiais de verdade sentem, e sim, eu sonho sentir isso algum dia.


Dúvidas, garotos e Rock'n Roll: capitulo 4 Sophia


Fiquei repassando aquela cena horrível que aconteceu na escola várias vezes, depois que cheguei em casa. Quem ele acha que é? Eu confesso que fiquei um pouco assustada com a iniciativa do Pedro de querer saber com eu estou, nunca nos falamos muito e não somos próximos, mas acho que estava tão desesperada para ser ouvida, que já fui falando toda minha vida para o Pedro. Foi muito legal da parte dele, matar aula comigo, ficar sentado em baixo de uma árvore me ouvindo, prestando atenção em cada palavra, ele ficava me olhando, acariciando meu braço e meus rosto, não sei porque mas o olhar que ele me dava me fazia acreditar que tudo iria passar, ele me transmite paz, não sei por que o Fernando não gosta dele, Pedro já sofreu em outra escola assim como eu, achavam que ele era doente, porque ele é pálido e não falava com ninguém, Pedro tem a linha da Bad Boy, ele se meteu em algumas brigas, depois que seu pai morreu em um acidente de carro, ele se rebelou, cortou relações com todo mundo, explodia e partia para a violência por qualquer coisa, sua mãe achou melhor coloca-lo na minha escola, e parece que funcionou. Pedro não brigou fisicamente com ninguém desde o inicio do ano.
Meu celular começa a tocar Maybe you're right, da Miley Cyrus, quando ela chegou no agudo atendi o telefone:
-Oi amiga!- Era Ângela- Você viu o que vai ter na escola?
-Não! O que vai ter?
-Vão organizar uma festa para sexta que vem, já que vai cair no dia 13, o pessoal resolveu fazer uma festa do terror! Via ser bem legal!
-É a fantasia?- se fosse, Ângela, já poderia me esquecer.
-Não, eles vão fazer apenas a decoração, mas não é a fantasia, e eles estão fazendo umas surpresas, que ninguém além do comitê de baile sabe! Você vai né?
-Lógico que sim!- uma festa na escola? Isso é raridade, não sei o que eu comitê de baile fez para convencer aquele diretor pão duro deixar.
-Ótimo! Sexta que vem não se esquece, as 19:00, se prepare para levar sustos! Beijos.
-Beijos.
Adoro esse tipo de festa, mas eu morro de medo de palhaços, e eles marcam presença nessas festas, acho que vou ter atenção redobrada sexta a noite, todos da escola sabem que eu tenho medo de palhaços, também depois do escândalo que eu dei no último passeio da escola, minha turma entrou em uma casa mal assombrada, e quando ascenderam as luzes, eu me vi rodeada de mascaras de palhaços, dei um grito e me agarrei no Pedro, sim ele estava bem atrás de mim, ele me abraçou de modo protetor, eu comecei a chorar, e ele me levou para fora da casa e conversou comigo me acalmando, depois daquilo nunca mais nos falamos.... até hoje.
Coloquei essas lembranças no fundo da gaveta e liguei meu computador, quando abri o Facebook, vi que Pedro me deixou uma mensagem:

"Oi Sophia! Você viu que vai haver uma festa do terror na nossa escola sexa? Ta afim de ir comigo? Pensa com carinho! Bjs"

Eu li de novo a mensagem, pensei em responder que não, mas o Pedro foi tão legal comigo, e eu acho que fui a primeira menina que teve uma conversa direita com ele, Pedro esteve do meu lado e me defendeu, ele merece uma chance, e ele não está me pedindo em casamento, é apenas uma festa.

"Sim Pedro! Eu adoraria! E ninguém melhor que você para me proteger dos palhaços né? kkk, se lembra daquele passeio da casa mal assombrada? Eu fiquei uma semana traumatizada."

Enviei a mensagem, e já estava saindo quando Pedro me enviou outra mensagem instantaneamente:

"Sim kkk, me lembro, eu fiquei assustado de verdade, não sabia que era sério o seu medo! Achava que vc estava brincando, mas quando vc grudou em mim e começou a chorar eu vi que o negócio era serio! E fica tranquila nenhum palhaço vai chegar em você!"

"É bom mesmo kkkk"

"Vc está bem? Sobre o que aconteceu hj?"

"Ahn estou. Tenho que ir agora. A gente se vê na escola. BJS."

"Ok, qualquer coisa é só chamar, bjs."

Desliguei o computador com uma dor no peito, parecia que meu pulmões estavam se fechando. Não conseguia respirar direito, me deitei na cama e cobri o rosto, nem sabia o que se passava dentro de mim. O  que estava acontecendo.
Bling!
Agora foi o meu celular, quando peguei ele vi que chegou uma mensagem, primeiro pensei que fosse o Pedro, mas quando olhei direito vi que era a Vera, minha professora de música. Vera é uma mulher jovem, bonita com a pegada rock n' roll, ela toca vários instrumentos, ela me ensina violão e canto.

"I ai Soph! Td bem? Vc pode dar uma passadinnha aqui na escola hj? Tenho uma coisa para te dizer .BJS"

Isso já despertou meu interesse, Vera é uma das pessoas que eu mais gosto no mundo, e quando a notícia vem dela, só pode ser coisa boa, porque segundo ela, ela sempre está em uma "vibe" alegre e feliz.
Como estou sozinha em casa, deixei um recado na secretária eletrônica caso mamãe ligasse. Calcei minhas botas, e coloquei uma calça, já que estava apenas com uma camiseta larga, estava cansada demais para me arrumar, para ir até a esquina.
Acariciei Bryan, e saí, minha escola de música não é longe de casa, então dá para ir andando tranquilamente.
10 minutos depois, já tinha chegado na escola, toquei a campainha e a Vera saiu para abrir o portão, ela estava como sempre botas pretas, uma calça jeans velha e uma camiseta dos Beatles que ela ganhou no natal passado. Tem uma coisa no jeito da Vera que me cativa, acho que porque ela segue o sonho dela, é quem ela quer ser, não tem medo, quero ser assim um dia.
-Oi Soph! Entra!
-Oi Vera! Tudo bem?
-Sim, sim! Tenho uma coisa para te mostrar.
Assim que entrei na sala, me joguei no sofá branco que era para acompanhantes dos alunos, eu adorava aquele lugar, foi lá onde minhas melhores composições nasceram. Vera me entregou um folheto, na hora não consegui entender o que era, mas depois eu soube exatamente do que se tratava:

-Não acredito! Já vai ter outro? Quando as inscrições vão abrir?
-Calma menina! Acabaram de abrir, e eu já te inscrevi, você vai cantar. Os ensaios começam semana que vem! Pode ser? Ou quer que eu desmarque tudo?
-Você está brincando? Você sabe que eu participo deste festival a mais de 5 anos! Lógico que eu quero participar! Vai ser no mesmo lugar do ano passado? E mesma hora?
-Sim! Eu vou ajudar você a se preparar! Porque eu sei Soph o talento que você tem! E está na hora de soltar está voz!
-Ótimo!! Mal posso esperar! Até sei que música vou cantar!
-Eu espero que seja uma composição sua! Você escreve tão bem!
-Não, não estou pronta.
-Qual é Soph! Que estrela do rock é essa que não aceita desafios?
-Tudo bem! Desafio aceito!
-Ótimo! Quando podemos começar a ensaiar? Porque eu sei que você tem uma música muito boa, que vai dar certinho, e é minha preferida!
-Qual música?
-Me sinto livre.
-Ta bom, mas faz tempo que eu escrevi ela! Nem me lembro mais como é.
-Eu te ajudo, você pode trazer ela para a aula amanhã?
-Claro! Só preciso encontra-la.
-Ok, eu preciso ir agora, tenho uma seção para fazer uma tatuagem! Dessa vez vai ser uma caveira mexicana nas costas.
-Vera, posso ficar um pouco aqui? Depois eu tranco tudo.
-Claro! Está tudo bem? Eu te conheço desde pequena, você só fica aqui quando precisa pensar um pouco na vida e quando está confusa, precisa de alguma coisa?
-Eu só preciso ficar um tempinho aqui, sozinha, está meio difícil pensar em alguma coisa em casa.
-Tudo bem. Você tem as chaves certo? Depois quando você for tranque tudo.
-Ok, Beijo.
-Beijo.
Vera saiu, eu tranquei a porta, e me joguei de novo no sofá, peguei o violão e brinquei com algumas notas:

"O tempo passa de vagar, as horas insistem em nos torturar. Nos perdemos, cansamos de nos procurar...."

E passei o resto da minha tarde lá, pensando na vida e fazendo uma nova música.



             

Dúvidas, garotos e Rock'n Roll: capitulo 3 Fernando


Cara, se tem uma coisa que eu odeio é aula de matemática, que negócio mais chato. Eu poderia pedir ajuda para a Ângela, ela é fera nisso, mas duvido que ela me ajude, ela é amiga da Sophia, e com certeza ela não vai querer me ajudar. Falta meia hora ainda para acabar a aula, tenho que dar o fora dessa sala, estou me sentindo sufocado (nossa Fernando que exagero).
-Professor? Posso ir no banheiro?
-Sério? Agora? Ok, mas vá rápido, não gosto de aluno passeando pela escola.
Saí rápido da sala, antes que ele mudasse de ideia, não ache que  eu não gosto de estudar, eu gosto, mas matemática não é para mim, consigo nota azul em todas as matérias, mas em matemática, eu sempre passo raspando.
Quando virei o corredor, para ir ao banheiro, vi dois alunos perto de uma arvore de amoras, era um menino e uma menina. A garota estava sentada no chão, com o rosto enterrado nos joelhos, parecia estar chorando, o garoto estava bem do lado dela, lhe acariciando o braço e dizendo-lhe alguma coisa, ele parecia ter pena da menina, quando a garota levantou o rosto, vi que era Sophia, seu rosto, antes pálido, estava vermelho e inchado, eu não consegui ver o garoto. Não sei porque, tive vontade de ir até ela, lhe abraçar e dizer que ninguém merecia aquelas lágrimas, que ninguém merecia seu choro, e que tudo vai ficar bem, tive vontade de pega-la no colo e leva-la para bem longe. Antes de perceber eu já estava perto da árvore, estava a poucos passos de Sophia, quase tocando-a, quando uma mão pega o meu punho com força. Finalmente vi o rosto do garoto, era o Pedro, um garoto que se achava, ele era da mesma sala de Sophia, Pedro e eu sempre brigamos, ele tinha cabelos pretos arrepiados e olhos azuis claros, sua pele é pálida, mas não um pálido doentil, é um pálido charmoso. Sophia olhava para nós dois, assustada, havia parado de chorar, mas seu rosto ainda estava vermelho. Olhei para Pedro e disse:
-Me solta!
-O que você quer cara?
Olhei para Sophia, ela tinha se levantado agora, se colocando no meio de nós dois:
-Sophia, o que está fazendo com esse... esse.... idiota!?
-Não te interessa o que a gente está fazendo Fernando! Sophia está precisando de alguém e eu estou aqui.
-Acho que ela já tem muitos amigos. Sophia, você sabe que esse cara não presta! Vêm, vamos embora sai de perto desse desgraçado.- comecei a puxar Sophia pelo braço, eu me controlava vendo ela perto de todos aqueles meninos. Mas com o Pedro? Meu pior inimigo? Nem pensar!
-Eu não vou a lugar nenhum com você! Pode me soltar agora!
Congelei, Sophia nunca tinha gritado comigo, já vi ela gritando mas nunca desse jeito, este grito me machucou, não pelo volume, mas pela dor e tristeza que ele continha. Virei para trás, com medo da cena que eu ia ver, Sophia estava com cara de raiva, estava chorando, estava com raiva de mim.
-Você acha que as coisas são assim Fernando? Pois o Pedro está aqui do meu lado, perguntando se estou bem, ele está aqui, matando aula comigo me vendo chorar! Você nunca fez isso comigo! Você nunca quis saber se eu estava bem, eu não sei o que se passa pela sua cabeça ta bom!? Mas eu tenho uma vida, e ela não pode parar esperando você se decidir! Eu não vou dizer que te odeio, porque eu não consigo te odiar! Você e o Pedro tem lá suas briguinhas, mas isso não tem nada a ver comigo, se eu tenho uma amizade com ele ou não, é problema meu, você nunca esteve presente na minha vida! Por que quer estar agora?
Fiquei sem resposta para tudo isso, senti meus olhos encherem d'agua, mas segurei, Sophia caiu no chão e Pedro estava tentando fazer ela parar de chorar, mas Sophia não reagia, Pedro olhou para mim, com uma cara de raiva, ele se levantou e veio na minha direção. Pronto quer ver que ele vai gritar comigo?
-Cara na boa, sai daqui, você não faz bem para ela.
Ele não gritou, ele apenas falou com calma e se virou, pegou uma Sophia chorando pelo braço e entrou com ela na escola, colocou o braço nos ombros dela de uma forma protetora, Sophia deu uma olhada em mim e depois virou o rosto. Eu soube o que significava esse olhar, significava ''essa é sua ultima chance".

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Dúvidas Garotos e Rock'n Roll: Fernando

                                         
Cara, minha mãe não sabe o que é privacidade? Ela me acordou já abrindo a porta do meu quarto, sem bater nem nada, ela não confia que eu coloquei o despertador para tocar? E se eu já estivesse acordado e me trocando? Cara mal posso esperar para sair de casa, mas isso vai demorar muuuuito tempo.
-Filho! Hora de ir para a escola! Seus amigos estão la fora, quer que chame eles para entrarem?
-Não mãe, não precisa, já estou saindo.
Era só o que faltava, minha mãe querendo oferecer biscoitinhos e leitinho pros meus amigos, eu amo ela, mas as vezes eu não consigo entende-la. Acho que por ela ser mulher, eu vivo com ela e minha irmã mais velha, meus pais são separados, mas eles mantêm uma amizade. Uma última olhada no face antes de sair, nada de interessante. Acho que vou dar uma olhada na página da Sophia, nós não somos amigos no face, eu a exclui, depois ela me adicionou de novo, mas depois ela me excluiu, e depois me mandou uma solicitação de amizade, mas eu não aceitei, por puro orgulho.
Ela compartilhou a letra de uma música da Miley Cyrus, wrecking ball.
"Eu nunca quis começar uma guerra, acho que ao invés  de usar força, eu deveria ter deixado você simplesmente entrar..."
Eu sei que ela dedicou isso para mim, não que eu esteja sendo convencido, mas a Sophia sempre foi muito sincera com seus sentimentos, ela nunca escondeu de ninguém o que ela sentia, nem sei se conseguiria, seu rosto iria denuncia-la, eu sei quando Sophia está com vergonha, suas bochechas ficam vermelhas e ela olha para baixo, quando ela está preocupada, ela franzi as sombram celhas e não para quieta até se sentir mais segura, quando ela está brava ela apenas se afasta e não fala com absolutamente ninguém e ela tem o dom de fazer a pessoa que ela está brava ficar "invisível", ela faz isso comigo todos os dias. E quando ela está triste, seu rosto fica abatido, sua pele fica muito pálida, e seus olhos perdem um pouco do brilho....
-Fernando! Última chamada! Desça agora! Se não vou aí de pegar a força!
Desci as escada correndo, ta vendo o que ela faz?
-Tchau filho, vai com Deus
-Tchau mãe.
Tranquei o portão e fui ao encontro dos meus amigos que estavam do outro lado da rua.
-E aí galera! Firmeza?
-Po cara, você demorou, já estávamos indo sem você.- falou o Leo um dos meus melhores amigos, ele tinha olhos pretos e cabelos pretos e era moreno, alto e magro.
-A cala essa boca!
E fomos para e escola em clima de brincadeira.

Quando chegamos lá dei oi para algumas meninas e outros amigos meus, quando vi ela, Sophia, nossa como ela é linda, eu adoro o jeito dela se vestir, gostei daquela blusa dos Simpsons dela, ouvi dizer que ela é fã. Seu rosto estava meio abatido hoje, mas mesmo assim ela continuava irresistível, ouvi rumores que ela estaria doente, mas não acredito neles, ninguém sabe o que é, mas as meninas disseram que ela está diferente a algumas semanas, estava meio distante e deu alguns ataques de nervosismo pela escola. Uma menina disse que uma vez ouviu a Sophia no banheiro, disse que tinha visto ela comer e correr para o banheiro  ouviu ela vomitar, aí ela teve outro ataque, só que na diretoria.
Claro que a Sophia não sabe de nada disso, porque os amigos dela, fazem de tudo para isso não chegar aos ouvidos dela, mas se chegasse, conhecendo a Sophia, ela só ia levantar o dedo do meio e dar de ombros e ir embora, ela nunca foi do tipo que liga para boatos.
Afe, o Caio, o Lucas e não sei mais quem está lá com ela, porque ela vive rodeada de meninos? Ta bom que eu acredito que é tudo amizade, com certeza rola alguma coisa ali, só não sei se é da parte dela, ou apenas da parte deles. Ela me percebeu também, porque está me olhando, não consegui desviar o olhar, e parece que ela também não, fiz o melhor que eu pude e dei aquele meu sorriso, que fica só entre a gente, só ela pode percebe-lo, mesmo se eu desse um pequenino sorriso ela saberia, porque isso é um código nosso, ninguém mais sabe, apenas nosso.
-Cara! Para de ficar mom gando aí! Vamos entrar!
Dei uma última olhada na Sophia, ela parecia um pouco pálida, desviei o olhar e entrei na escola, para mais um grande dia!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Dúvidas, Garotos e Rock'n Roll: Capitulo 1: Sophia


Geralmente é assim que se começa um dia normal:
Acordar cedo.
Tomar banho.
Tentar achar uma roupa legal (ou seja vestir todo o seu guarda-roupa e ficar com a primeira roupa que você tinha experimentado.)
Tomar café.
Dar bom dia para os pais.
Ir para a escola.

Meus dias são assim, todos os dias mesmo, menos nos finais de semana. Mas não vai pensando que eles são super agitados, eles são bem chatos na verdade, eu só durmo ate mais tarde e assisto TV.
Agora olhe a diferença, entre uma manhã normal e a manhã de um rock star.
De vez em quando ele acorda de manhã.
Entrevistas
Um show, para o público mais jovem.
Eles vai estar saindo de uma boate com os amigos.

Viu a diferença? Eu odeio quando os adultos fazem aquela pergunta idiota "Do que você vai trabalhar?". Eu respondo a verdade, que quero fazer música, quero cantar, tocar, escrever músicas, eu já faço isso na verdade, mas ninguém ouviu minhas músicas ainda, sei lá acho as letras delas muito bobinhas. A é esqueci de me apresentar meu nome é Sophia, tenho 14 anos, moro com meus pais, meu irmão pequeno e um cachorro chamado Bryan, eu sei que isso é nome de gente, mas acho que combinou com ele.
Minha vida é legal, meus pais são aqueles pais liberais sabe? Eles são muito brincalhões, minha mãe e eu parecemos irmãs, meu pai é meu melhor amigo, conto tudo para ele. Meus amigos são bem legais também, mas eu não falo com quase ninguém da minha sala de aula, eu falava, mas agora me distanciei das pessoas de lá, porque estou cansada de algumas pessoas, eu enjoei, são as mesmas piadinhas que menosprezam os outros e isso não é legal, e não escutam os professores, eles não param quietos e não dão a miníma bola, não estou dizendo que quero estudar para ser médica, nem advogada ou outra coisa do gênero , mas é que este é o ultimo ano na minha escola, e eu não quero brincar, porque não quero repetir de ano, já brinquei demais, agora é hora de parar e me concentrar, faltam apenas 2 meses para eu dar o fora da li, fico triste  de abandonar meus amigos, eles são as pessoas mais legais que eu conheço, mas não tem como a gente estudar na mesma escola, mas prometemos (de mindinho, que é coisa séria) que nunca vamos perder o contato, e que pelo menos uma vez a cada 2 semanas vamos nos encontrar. 
E sair daquela escola também significa dizer tchau para o Fernando, um garoto que eu gosto. Eramos vizinhos quando crianças, mas eu tive que me mudar, nunca olhei para ele desse jeito, comecei a percebe-lo  no ano passado, em janeiro, na festa de aniversário do meu primo. Depois daquilo, eu não parei de pensar nele, e por um tempinho ele também gostou de mim, mas depois com o tempo ele começou a agir feito um babaca, e me magoou muito, agora eu nem sei mais o que  aquele moleque quer, então não espero mais nada dele, assim é mais difícil de me decepcionar com as atitudes dele. 
- Sophia! Vamos, já está na hora de ir para a escola!
Minha mãe, Ana, me chamou para ir para a escola, hoje ainda é segunda! Mais uma grande semana naquela jaula, dei uma última olhadela no espelho, blusa do Bart dos Simpsons (eu amo esse desenho, tenho todos os boxes), uma calça jeans justa escura, para realçar minha pele pálida de inverno que acabou de acabar. E um All Star rosa, meu cabelo está normal, liso enrolado nas pontas, hoje parece que o castanho dele está mais claro, peguei meus óculos escuros para o primeiro dia de verão e saí de casa, dei um beijo na minha mãe (meu pai já tinha saído para trabalhar, e meu irmão estava dormindo), fiz um carinho no Bryan e saí, meu colégio não era muito longe de casa, então dava pra ir a pé.
Coloquei meus fones de ouvido quando virei a esquina, coloquei a música do Charlie Brown Jr Longe de Você, eu tenho mania de dedicar músicas para as pessoas que eu conheço, ou dedicar músicas para momentos que eu passo, tudo na minha vida tem uma trilha sonora. Essa música eu dedico ao Fernando, como tantas outras.
Cantei baixinho junto com o Chorão (que descanse em paz).
"Longe de você eu enlouquesso muito mais, eu vivo na espera de viver a vida com você..."
Eu sou super fã do CBJr, lembro quando o Chorão morreu, eu fiquei umas 2 semanas chorando, me arrastando pela casa, não comendo quase nada e gritando com o mundo, sem entender o que tinha acontecido, agora eu estou melhor, mas de vez em quando durante a noite, ainda choro ouvindo CBJr. 
Quando cheguei no portão da escola não tinha quase ninguém acho que cheguei muito cedo, mas não demora muito e já vejo dois dos meus melhores amigos, a Angela e o Ricardo, eles eram ótimos, me faziam rir todos os dias, eram super engraçados e inteligentes, muita gente pensa que rola alguma coisa entre o Ricardo e eu, mas nunca rolou nada, nossa amizade é muito especial para estragarmos ela desse jeito. 
Angela estava como sempre, uma blusa larga com uma estampa legal, um velho jeans azul e usava um vans roxo, ela era do tipo que ligava mais para o conforto do que para a beleza, e eu a adorava por isso, seu cabelo encaracolado estava preso em um coque, e ela tinha trocado a armação do óculos. O Ricardo também não tinha mudado, ele usava óculos também, seu cabelo castanho super claro estava arrepiado, ele usava aquelas pulseiras dele, cada dia estava com uma diferente, estava com uma camisa preta lisa, jeans escuros e um All Star preto.
-Oi Sophia!- Angela me deu uma abraço.
-Oi Sophia!- Ricardo me deu um abraço e um beijo na bochecha e ficou pendurado em mim, nós dois temos essa mania.
-Oi gente!- só aquelas pessoas mesmo para me deixarem no maior astral.
Mais gente estava chegando, o Lucas, o Caio, o Mateus, todos os meus amigos, eles estavam vestido iguais, camisetas lisas, só que cada um de uma cor, calças jeans claras e cabelos arrepiados, eu adorava aqueles meninos também!
Vi uma das minhas melhores amigas virar a esquina, era a Barbara, ela é da minha sala de aula, uma das poucas pessoas que eu acho que tem salvação naquela sala, ela estava usando uma blusa da Rihanna (ela adora ela), um jeans escuro e vans pretos, seu cabelo liso, descolorido nas pontas estava solto, sua pele morena estava mais morena ainda, a Barbara sempre foi mais bonita que eu, ela tem mais peito e mais corpo que eu, e ela é bem engraçada. Me faz rir todos os dias.
-Oi Sophia!- ela veio me abraçar.
-Oi! Nossa parece que o verão chegou mais cedo para alguém- disse olhando para o bronzeado dela.
-Esse fim de semana fui para a praia. Aí a Renata chegou, vamos lá?
-Não eu estou bem aqui, mando um beijo para ela.
-Ok, ate mais. A gente se vê la dentro.
Eu adoro a Barbara, ela é uma das melhores pessoas que eu já conheci, só que as vezes ela me deixa meio de lado, mas tudo bem, quando estou com problemas sei que ela vai me ajudar, adoro a Renata também ,nós brigávamos no Índico do ano, mas agora somos amigas, não vou dizer que amo ela de paixão porque não amo, mas eu gosto dela, só acho que ela anda muito grudada com a Barbara, onde a Barbara está ela também está, mas tudo bem, isso passa, já estive nessa fase também, mas graças a Deus eu saí dessa, agora sou independente. 
Vish, olha só quem acabou de chegar com seus amigos, o Fernando, nossa ele estava demais, com aqueles jeans velhos escuros, com uma camisa lisa azul, o cabelo loiro estava arrepiado e seus olhos pareciam mais claros hoje, eu não sei porque, mas eu fico totalmente paralisada perto dele, eu não sei o que acontece, mas acontece, ele nunca mais vai olhar para mim, sei disso. Não sou igual aquelas garotas, não tenho um corpo magrinho, não ouço funk e não saio todo final de semana e não sou popular. Na verdade sou bem o contrário delas, tenho o corpo com curvas bem marcadas, ouço de tudo, menos aqueles funks pesados e forró, e fico quase todo final de semana quietinha em casa assistindo um filme, não uso roupas provocativas, se você aparecer em casa provavelmente vai me ver de jeans, ou calça leggin e com um moletom ou com uma blusa com a estampa de algum desenho. Mas fazer o que né?
Aí cacetada, ele olhou para mim, e agora o que eu faço? Ele ainda está olhando, será que coloquei minha blusa ao contrário? Tem alguma coisa no meu cabelo? Não, então o que foi? Ele deu um sorrisinho para mim, discreto, mas deu. O que ele pensa que está fazendo? E aquela história de que "não vai rolar nada entre a gente"? Esse garoto gosta de fazer uma garota sofrer viu. Daqui a 2 meses não vamos nos ver tanto assim, claro que eu ainda vou vê-lo por aí na vida, ele mora na mesma rua que a minha avó! Mas tirando isso, nunca mais vou olhar na cara dele, não sei se isso é bom ou se é ruim, mas o que for para ser será. 
-Sophia! O que está olhando? Está na hora da gente entrar!
Caio começou a me puxar pelo braço, Fernando e eu desviamos nossos olhares, esta na hora de outro grande dia na escola.


TAG NOVA

Oi meninas! Tudo bem com vocês? Sei que estou um pouco sumidinha,mas eu tenho uma novidade para vocês. Eu estou escrevendo uma história! Um romance! E isso está tomando um pouco do meu tempo, então para não deixar o blog desatualizado, eu decidi postar um capitulo por dia, então vocês podem acompanhar o que eu estou fazendo e verem se eu tenho futuro como escritora! A história se chama "Dúvidas, garotos e Rock'n Roll', então eu espero que vocês gostem! Beijos!
PS: Hoje posto o primeiro capitulo.



quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Adeus. Adeus?

Pois é acabou nosso ano escolar. Finalmente vamos nos formar e cair fora dali, vamos virar "gente grande", segundo nossos pais. Isso foi sempre o que a gente quis não é mesmo? Então porque tantas lágrimas? Tanto aperto no coração? Tanto medo de olhar algumas pessoas nos olhos e dizer tchau?
É pessoal passou rápido, mais rápido do que a gente queria, vamos levar algumas  amizades para sempre, estamos felizes por deixar magoas e pessoas idiotas para trás, mas isso também significa não ver pessoas especiais todos os dias. Não vamos almoçar mais como uma família né pessoal? Não vamos mais poder passar cola um para o outro na prova de matemática, nem vamos mais juntos naqueles passeios chatos da escola, que só valeram apena porque nós fazíamos a festa no ônibus!
Agora vamos ter que almoçarmos com outras pessoas, vamos tem que começar tudo do zero de novo.
Isso não é um adeus, é apenas um "até logo", vai ser difícil não ver essa cara de vocês todos os dias, vai ser difícil, mas nós sabíamos que este dia iria chegar.
Então eu desejo todo o amor e toda a sorte desse mundo para vocês! Te amo seus chatos e idiotas, que me fazem rir até quando eu estou de TPM! A gente se esbarra qualquer dia desses.

As palavras que eu te dei

Eu me joguei no sofá. O silêncio veio me receber. Suas coisas já não estavam mais no meu apartamento. A gente cansou de brincar de se gost...