Por Geovanna Domingos

sábado, 3 de janeiro de 2015

Silêncio, silênio agora.

Estamos parados no meio da chuva. Você está assustado com alguma coisa, talvez como o futuro, e por coincidencia eu também estou. Não estamos preparados para enfrentarmos o mundo lá fora. Sempre achei que nós eramos perfeitos um para o outro, nossa história acabou de maneira tão... boba, inútil e prevísivel. Nada a ver com a gente né?
Eu achei que me afastando de todos os meninos era um caminho para nunca partirem meu coração de novo. Mas não vale apena culpar outras pessoas pelos nossos erros, acho que você deveria fazer a mesma coisa. Não culpe ninguém pelo o que nós fizemos.
É estranho, não estou sentindo nada por você, não sei porque, mas ver você correr para se esconder na casa do seu amigo e me observar pelo portão foi tão... infantil, criancice. E eu cansei de criancices, então, eu vou seguir com a minha vida.  Desejo tudo de bom para você, desejo que você não tenha medo do futuro.
Espero de verdade que todos os seus sonhos se realizem. A gente se vê daqui alguns anos, e espero, que tudo tenha se resolvido.
Postar um comentário

As palavras que eu te dei

Eu me joguei no sofá. O silêncio veio me receber. Suas coisas já não estavam mais no meu apartamento. A gente cansou de brincar de se gost...