Por Geovanna Domingos

sábado, 11 de julho de 2015

Essa é uma cidade de papel,com pessoas de papel.

Assim que eu ouvi essa frase fiquei confusa, não tinha entendido ela, para mim era apenas uma frase que combinasse com o filme que foi inspirado no livro do John Green, Cidades de Papel (que acabei de assistir no cinema). Mas a agora refletindo mais um pouco, eu acho que entendi o que a Margo quis dizer. Cidades de Papel são cidades que não existem de verdade, com pessoas que não existem de verdade, vivemos em uma cidade de papel, somos pessoas de papel, perdidas em casas de papel. Não somos de verdade, deixamos de dar valor a coisas de verdade, coisas que nos fazem nos sentirmos vivos! Todos temos um milagre, mas estamos tão presos em nossa tediosas rotinas, vivemos no maldito limite, que esquecemos de irmos atrás de nossos milagres, esquecemos de dar valor a eles. Algumas pessoas nem percebem que seu milagre está bem ao seu lado. Pare de viver assim, se arrisque, se perca, comece tudo do zero, vá atrás do seu milagre, erre, acerte, arrisque tudo por alguém, mesmo quebrando a cara você vai ver como valeu a pena, todas essas experiências vão ser o combustível para sair em busca de novas aventuras. Se apaixone, ria com seus amigos, pare de viver de forma segura. A vida é muito curta para não arriscar, saia em busca de seus sonhos, grite o que sente para todos ouvirem, se orgulhe de quem você é, se ame, pare de pensar, comece a sentir!
Não seja mais uma pessoa de papel, perdida em uma casa de papel, nessa cidade de papel.

Postar um comentário

As palavras que eu te dei

Eu me joguei no sofá. O silêncio veio me receber. Suas coisas já não estavam mais no meu apartamento. A gente cansou de brincar de se gost...